quinta-feira, 30 de dezembro de 2010

leiria balada do encantamento.wmv



Porque é a terra que me viu nascer e porque a interpretação desta "balada" é fantástica, aqui deixo estas belas imagens. Espero que gostem...

terça-feira, 28 de dezembro de 2010

QUEM NÃO SE SENTIU, JÁ, CANSADO?

Quantas vezes nos sentimos cansados, achando que ninguém nos compreende e que a vida é injusta? Talvez já tenhamos tentado mudar as coisas e, as pessoas ao seu redor, sem êxito, e de tanta luta, o cansaço se apossa, trazendo desalento, sentimento de solidão e incompreensão... Então, se nos sentimos mal, fechamo-nos em mágoas, tristezas, e ao nosso encontro, vem o desanimo, acabando-se, também, por evitar os outros e até mesmo, a nossa própria pessoa, para não termos que olhar para dentro, para nos questionarmos e vermos o que, “sabemos”, que tem que ser visto ou revisto. E neste esforço contínuo de fuga, sentimo-nos, enfim, como quem tenta caminhar ou correr numa esteira, chegando, apenas, à exaustão e a nenhum outro caminho...
É preciso dizermos a nós mesmo: "Basta! Não quero e nem vou me permitir viver assim! Não vou ficar a tentar dar voltas e voltas nesta “esteira” estúpida, numa teimosia e inflexibilidade, que não me levam a lugar algum!" Deve-se observar a natureza e ver que um rio, flui, desviando-se dos obstáculos, mudando o seu curso mas, seguindo, o seu caminho, porque tem um objectivo maior: o grande mar! O grande mar da nossa vida está à nossa espera, mas se ficarmos “encalhados” em algum obstáculo, ao invés de contorná-lo, nunca chegaremos a qualquer lugar! Assola-nos o medo de seguir pelo desconhecido, e teimamos em fincar os pés nas raízes do medo, na insegurança, escondidos, atrás de uma pseudo “segurança”, escondendo-nos atrás das dificuldades, dando-nos falsos motivos para não enfrentar o caminho. Além do mais, tornamo-nos críticos com os outros, por causa de uma certa inveja, quem sabe, dissimulada! Ninguém é superior ou inferior a ninguém, apenas não somos iguais. Há uma desigualdade, entre nós, que nos une, pois precisamos uns dos outros, na troca de experiências para que possamos aprender a arte da vida, para que possamos ver um novo horizonte de existência, por um ângulo, até então, ainda não apreciado! Encontrar, um novo ponto de partida, para a nossa vida!

A vida está aqui para ser vivida, na sua plenitude e não, para que sejamos, apenas espectadores que nos vamos lamentando da nossa falta de inércia! Ela se concentra no “agora”, onde realmente estamos. Temos que aprender a deixar o passado no seu lugar, para vivermos a nossa vida, no “presente” e, dela, retirar o maior prazer, porque, esta é a nosso vida, neste lugar!
A vida é cheia de oportunidades; ela se reconstrói de dentro para fora; portanto, temos que tentar cultivar a alegria. Na vida nos cansamos, não enquanto caminhamos, mas justamente quando estagnamos... Cansados somos como galhos secos que nada produzem, mas quando cultivamos a alegria de viver, ficamos como árvores verdejantes que bem adubadas, darão frutos, com certeza.
Temos que pôr de lado, a ideia de viver, no limite da sobrevivência.
Flua como ar, o rio, a natureza! Flua com o sorriso! Flua neste espaço de vida! Observe a vida planando como uma ave gigante, numa visão aérea, num sentimento de coragem e liberdade, mas conserve o seu ninho, pois, precisa dele. Todos temos os nossos momentos, mas não se atormente por muito tempo, como um chato e rezinga, numa amargura que contamina sorrisos e dá obstáculos! Mais do que isso…afasta os que nos possam querer bem. Faça uma terapia de autoconhecimento e sinta admiração pelo que é, pela sua história! Apaixone-se por si e volte de novo à vida. Foi gerado e nasceu para isso, e não apenas para sobreviver! Liberte-se da sobrevivência e permita-se viver! A alegria é uma consequência natural, quando nos permitimos a tê-la. A procuramos! Não deixe nada para “amanhã”, porque, o amanhã, ninguém sabe se existirá. O momento é agora! Seja responsável pela sua vida. É necessário e insubstituível nela, portanto, receba a sua vida e viva-a da melhor maneira possível, respeitando sempre três regras básicas: RESPEITO A SI MESMO, RESPEITO AO OUTRO e RESPONSABILIDADE!
Já agora, com um sorriso!

“Cur veteranus dux, fortissimus bello, compressis manibus sedeas?”[Tito Lívio, Ab Urbe Condita 7.13.7] Porque tu, que és um comandante experiente, tão valente na luta, permaneces de braços cruzados?

segunda-feira, 27 de dezembro de 2010

REFLEXÃO DEPOIS DO NATAL

Depois do Natal vem um momento de reflexão. Para este momento de reflexão, escolhi, o porquê de escrever, para um blogue.
Poderia escrever, eventualmente, para um diário, mas esse seria demasiado exclusivo e pessoal. Algumas das preocupações que vão assolando o meu espírito, acabariam por ficar numa folha de papel.
Eu sei que é modesto o número de leitores do meu blogue, pois só 8800 visitas foram efectuadas, em 2010. Ou seja, há uma modesta média de 25 visitas diárias.
Mas, não é isso que me importa…o número dos que o visitam, para ler o que escrevo é que vão ditando a razão de ser do mesmo. Aliado a tudo isso, denota-se a qualidade dos meus leitores, que se dão ao luxo de perderem, alguns minutos do seu dia, para procurar ler o que escrevo. A estes, um abraço, com votos de que no próximo ano, a vida lhes sorria, se possível, mais do que em 2010.
Normalmente, o blogue é carreado por assuntos de política, porque esta não está, de modo nenhum, separada de nós, por mais indiferentes que possamos ser. Esta tem o condão de gerir a nossa vida e condicionar grande parte da nossa felicidade. Principalmente, quando a crise assola o nosso país, as angústias e inseguranças, aumentam.
Mas, também, existem algumas preocupações, da minha parte, em relatar algumas das injustiças pessoais, dos amigos que vivem ao meu redor, que não são mais, do que muitos dos sofrimentos calados, que pululam por aí. Infelizmente, para gozarmos de felicidade, parece que temos que conhecer a infelicidade, pois, de outro modo não reconheceríamos a mesma. Não estou completamente convencido deste postulado.
Continua a ser um teorema, no meu ponto de vista, pois carece de demonstração.
Em 2011, a minha preocupação, continuará a ser sobre a política deste país e, em particular, vou aqui, continuar a desvendar, a correspondência entre a “mãe” e o “mê querido filho”. Até, porque estes, se vão manter em cena, pois as alternativas, ainda não surgiram, nem ninguém as quer assumir.
Se estivéssemos a falar de uma sociedade comercial, diríamos que estariam disponíveis, os administradores da massa falida. Mas para estes, gerir a massa falida é uma profissão, remunerada. No caso da política, não é particularmente agradável, andar a gerir os restos daquilo que os outros andaram a fornicar, durante estes anos e diga-se de passagem que é muito mal paga. Eu sei. Eu sei…que sempre é mais do que o salário mínimo e mais do que ganha a nova geração de licenciados, de Bolonha ou não.
Mas, que é muito ingrato, é.
De um ou outro modo, todos vão criticando o “José Narciso”. Mas o que mais me surpreende são os senhores magistrados. Dizem que "Sócrates tem um trauma com a justiça”. Mas direi eu…quem não tem? Processos que levam anos e anos a verem a luz do dia. E isto, já não é do tempo do Sócrates. Providências cautelares, no Tribunal de Comércio de Lisboa que levam mais de oito meses a ter uma resposta. Tribunais de Família que levam meses para notificar os interessados, num processo de divórcio. Partilhas de bens que levam mais de dez anos a serem resolvidas. Senhores Magistrados qual é a economia de um país que aguenta tal desaforo? Ah, mas depois a questão está sobre os possíveis cortes salariais que o Governo vai fazer. Para os Senhores Magistrados não. Devem ser cidadãos de outra classe qualquer e talvez, não sejam portugueses.
É bom, que se vá sentindo que há limites para tudo, até numa classe de Magistrados que ao reivindicarem o direito a fazer greve, se colocam ao lado da plebe. Se fizessem greve porque viam os seus concidadãos de mãos e pés atados, com problemas na justiça para resolver, penso que isso é que dez milhões de portugueses agradeciam e, agradecia a economia deste país. Os atrasos dos tribunais representam mais de 7% do PIB, caso não saibam.
Diria, aliás, que se é completamente estúpido quando se investe em Portugal, seja em que negócio for. Havendo sempre litígios por resolver, como é que uma empresa pode esperar que uma providência cautelar leve mais de oito meses a ser apreciada pelo Tribunal?
Senhores Magistrados, se acham a situação injusta, comecem por pugnar uma justiça atempada. Se tiverem que fazer greve, façam-na mas atendendo às necessidades do país e não de uma classe que, administrativamente, tem subido na hierarquia, sem se responsabilizar por nada.
Se é assim que se perspectiva o ano de 2011, cá estarei, para modestamente, gritar o que me vai na alma.

“In controversiis, quas in iudiciis moveri contigerit, aequalitatem litigatoribus volumus servari.” [Codex Iustiniani 12.19.12.4] Nas demandas que forem movidas em juízo, queremos que seja observada igualdade entre as partes.

quarta-feira, 22 de dezembro de 2010

FILANTROPIA VERSUS CARIDADE

Para se poder entender a diferença entre caridade e filantropia, haverá que explicar cada uma delas, para se tirar conclusões. Porque um amigo já me tinha dado este desafio, e porque estamos a atravessar uma época em que somos mais sensíveis, quer à caridade quer à filantropia, tomo a liberdade, de antes do Natal, deixar este pequeno texto, que espero elucidativo.
A palavra Filantropia vem do grego (amor) e (homem), e significa "amor à humanidade". O seu antónimo é a misantropia (Misantropia é a aversão ao ser humano e à natureza humana no geral. Também engloba uma posição de desconfiança e tendência para antipatizar com outras pessoas. Um misantropo é alguém que odeia a humanidade de uma forma generalizada. A palavra vem do grego misanthropía, a junção dos termos (ódio) e (homem, ser humano). O termo também é aplicável a todos aqueles que se tornam solitários por causa dos sentimentos acima mencionados (de destacar o elevado grau de desconfiança que detém pelas outras pessoas em geral). (Quantos há por aí?)
Os donativos a organizações humanitárias, pessoas, comunidades, ou o trabalho para ajudar os demais, directa ou através de organizações não governamentais, sem fins lucrativos, assim como o trabalho voluntário, para apoiar instituições que têm o propósito específico de ajudar os seres vivos e melhorar as suas vidas, são considerados actos filantrópicos.
História
O termo foi criado por Flávio Cláudio Juliano (331/332 - 26 de Junho de 363), que foi imperador romano desde 361 até à sua morte.
Uma das tarefas de Juliano como imperador, foi a de restaurar o paganismo como religião dos romanos, e neste intento, imitou a igreja cristã. Assim, criou o termo "filantropia" para concorrer com o termo cristão caridade, que era uma das virtudes da nova religião e que nunca tinha sido parte do paganismo em Roma ou Atenas.
Visão comum de filantropia
A filantropia pode ser vista limitadamente como a acção de doar dinheiro ou outros bens a favor de instituições ou pessoas que desenvolvam actividades de mérito social. É encarada por muitos, como uma forma de ajudar e guiar o desenvolvimento e a mudança social, sem recorrer à intervenção estatal, muitas vezes contribuindo por essa via para contrariar ou corrigir as más políticas públicas em matéria social, cultural ou de desenvolvimento científico. Os indivíduos que adoptam esta prática, naturalmente indivíduos que dispõem dos necessários meios económicos, são em geral denominados por filantropos ou filantropistas. A filantropia é uma das principais fontes de financiamento para as causas humanitárias, culturais e religiosas. Em alguns países a filantropia assume papel relevante no apoio à investigação científica e no financiamento das universidades e instituições académicas.
Uma falsa filantropia pode ser chamada pela gíria “pilantropia”.
Já a “Caridade” é uma das virtudes teólogas e uma das sete virtudes. Tem o mesmo significado que o Ágape. (Ágape (vem do grego, transitando para o latim, como "agape"), é uma das diversas palavras gregas para o amor. A palavra foi usada de maneira diferente por uma variedade de fontes contemporâneas e antigas, incluindo os autores da Bíblia. Muitos pensaram que esta palavra representava o amor divino, incondicional, com auto-sacrifício activo, pela vontade e pelo pensamento. Os filósofos gregos nos tempos de Platão e outros autores antigos, usaram o termo para denotar o amor a um esposo ou a uma família, ou a afeição para uma actividade particular, em contraste com “philia”, uma afeição que poderia ser encontrada entre irmãos ou a afeição assexuada, e eros, uma afeição de natureza sexual.)
É um sentimento que pode ter dois sentidos, o sentimento para si mesmo, e ao próximo.
O Cristianismo afirma que a caridade é o "amar ao próximo como a si mesmo". E afirma que se uma pessoa não se amar, adulterando e mentindo a si mesma sobre as coisas que a rodeia, defendendo, somente, o seu ponto de vista, sem pensar no ponto de vista divino, pode estar "amando" o seu próximo, mas da sua maneira, pois quanto mais buscar o esclarecimento divino sobre como amar-se a si mesmo, maior poderá ser o amor desta pessoa pelo seu próximo.
E afirma que nos dias actuais muitos estão buscando em Cristo, mas à sua "maneira", não procurando em arrependerem-se das suas acções, pois, em si mesmos, não acham culpa alguma, pois defendem os seus próprios pontos de vista. Esquecem-se que o salário do pecado é a morte, e quem não se ama (caridade) peca, pois, quem exerce a caridade, não peca, pois acaba amando a Deus, mais do que a si, mesmo, ouvindo assim a sua voz e colocando em prática a verdade que recebe. Dizendo, que quem ama a Cristo, confirma também o Senhorio de Cristo sobre si mesmo, abandonando tudo por Ele, pois um Servo abandona tudo pelo seu Senhor, vivendo somente para ele.
Aliás, Jesus Cristo ordenou: "Amar a Deus sobre todas as coisas", isto para os cristãos constitui a parte fundamental da caridade.
Quem tem o amor, prova, não somente com palavras mas, sim, com acções. Abrindo mão dos costumes dos gentios por amar a Deus sobre todas as coisas, seguindo a sua voz e os seus mandamentos.
Resumindo e usando as palavras do Compêndio do Catecismo da Igreja Católica, "a caridade é a virtude teóloga pela qual amamos a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a nós mesmos por amor de Deus. Jesus faz dela o mandamento novo, a plenitude da lei. A caridade é «o vínculo da perfeição» (Col 3,14) e o fundamento das outras virtudes, que ela anima, inspira e ordena: sem ela «não sou nada» e «nada me aproveita» (1 Cor 13,1-3)".
São Paulo disse que, de todas as virtudes, "o maior destas é o amor" (ou caridade). O Amor é também visto como uma "dádiva de si mesmo" e "o oposto de usar". A caridade é motivada pelo sentimento de compaixão, de amor ao próximo ou a uma causa. Pode partir de uma individualidade isolada ou de um grupo mais numeroso.

A Filantropia, por sua vez, é uma espécie de beneficência ("amor a humanidade") que é planeada socialmente e que guarda algum interesse anterior. As organizações filantrópicas, normalmente, financiam causas humanitárias e apóiam os estudos científicos, mas sempre esperando alcançar algo em troca disso.
Para se fazer caridade não é indispensável que se tenha recursos financeiros. Para ser filantrópico é. A caridade sem dinheiro, por exemplo, pode ser aquela que praticamos, no dia a dia, nas pequeninas coisas... Ouvir um idoso com paciência, auxiliar na educação de uma criança com dificuldades na escola, doar um pouco do tempo livre para visitar alguém que esteja enfermo, ser voluntário, levantar o ânimo de alguém que está triste, etc. No final das contas, ser caridoso, sem utilizar dinheiro, é escolher a prática do bem como um modo de vida... Por outro lado, ser filantropo, na maioria das vezes, é estar vinculado à algum projecto de desenvolvimento e mudança social, tentando, muitas vezes, preencher uma lacuna deixada pelo Estado. Por isso, é muito comum observarmos empresas privadas que se qualificam como filantrópicas. Na verdade, uma observação mais cuidadosa de tal filantropia, nos fará perceber que elas nada mais fazem do que defenderem, antes de tudo, os seus próprios interesses. É claro que uma empresa de celulose, por exemplo, que ofereça uma certa quantidade de cadernos, "gratuitamente", para algumas escolas públicas, em troca do recebimento de papéis já utilizados (recicláveis), está promovendo, sim, um bem para a comunidade em questão. As crianças terão cadernos! Todavia, é necessário observar que, muito antes da simples motivação de ajudar as pessoas, outros interesses, muito mais motivadores, aos olhos mercantis do empresário, instigam essa "boa acção". No caso citado, a empresa pretende, antes de mais nada, ser reconhecida socialmente como aquela que é "aliada" às causas humanitárias e, ao mesmo tempo, ecologicamente correcta.

Ora, naturalmente, esse comportamento, chamará a atenção dos consumidores que passarão a privilegiá-la quando necessitar adquirir algum produto do seu género.Nesse caso, a filantropia é utilizada como estratégia de marketing... A filantropia faz alarde. Dá com uma mão e aponta, para o que faz, com os cinco dedos da outra para que todos vejam e a reconheçam como a "boazinha". A caridade, ao seu turno, é desprentenciosa, é gratuita, não guarda interesses escusos.

Por isso, é tão difícil encontramos pessoas que realmente praticam CARIDADE, com todo a carga semântica e pragmática que essa palavra carrega em si.

Mas, salvo melhor opinião, a caridade é algo que se extingue no momento da sua prática, enquanto a filantropia, pode e deve ter continuidade. Mas, sou a favor desta, quando ela tem como pressuposto, a dignidade humana. E para isso, é preciso muito mais que oferecer cadernos para uma escola, recebendo em troca papel reciclável.

Só para exemplificar, transcrevo este pequeno texto, escrito sobre a pessoa, do meu avô paterno: “Tomás Pereira Roldão enquanto Presidente da Comissão Paroquial Republicana local, exerceu grande influência junto do governo para que fosse instalada na Marinha Grande a sua escola industrial, que só viria a abrir as portas em 1920, com uma aula de desenho. A sua acção a favor do ensino já se tinha manifestado em Dezembro de 1909, com a criação do “Núcleo da Marinha Grande” da Liga Nacional de Instrução. Organizou movimentos de apoio às crianças pobres, de modo a serem criadas as condições indispensáveis para que fizessem um regular percurso escolar”.
Quanto à caridade, era quando se pediam vagões de cereais, concrectamente, milho, para fazer pão, para matar a fome à população.

No estado em que o país se encontra é fundamental praticar caridade, para acorrer às necessidades imediatas, mas é necessária muita filantropia, mas tendo como pano de fundo a dignidade humana. De outro modo, a filantropia, não é mais que a caridade pagã de Juliano.


Miser vel ignavissimo cuique ludibrio est.” [Epígrafe de Fábula de Fedro 1.20 / Rezende 3547] O infeliz é motivo de riso até para qualquer covarde. ■Ao caído todos se lhe atrevem. ■Leão moribundo, cachorro lhe mija. ●Audet vel lepus exanimo insultare leoni. ●Mortuo leoni etiam lepores insultant.

Celine Dion - So This Is Christmas (Eng. Subs)


Para todos os meus amigos e leitores, deixo-vos aqui esta música, com votos de um Feliz Natal e próspero Ano Novo, assim eles nos permitam. Obrigado pela vossa inestimável companhia, ao longo deste ano.
Bem-hajam!

Luís Roldão

terça-feira, 21 de dezembro de 2010

O REGIME POLÍTICO

“Significa isto que não devemos contemplar apenas o melhor regime mas também aquele que é simplesmente possível, e ainda aquele que é de mais fácil aplicação e mais comum a todas as cidades. A verdade é que grande parte dos autores procura apenas a forma mais excelente e que requer abundância de recursos; outros propõem uma forma comum para todas as cidades, menosprezando os regimes já estabelecidos, e exaltando, por exemplo, a constituição espartana ou outra qualquer. O que verdadeiramente interessa, pelo contrário, é introduzir uma ordenação política cujas disposições persuadam facilmente os cidadãos e facilmente sejam adoptadas; pois não é, de modo algum, menos trabalhoso o acto de reformar um regime do que o acto de o instituir desde o início, da mesma forma que não é menos trabalhoso o acto de aprender melhor do que o acto de aprender desde o início. É por isso que, além de outros aspectos referidos, o político deve ser capaz de auxiliar os regimes já estabelecidos, como já tivemos oportunidade de referir.”
” [Aristóteles, Política, 1288 b 34 – 1289 a 7]
Vamos ver se é possível importar estas ideias, a Portugal e ao povo português!
Disse Aristóteles que o mais importante é a existência de um regime político (uma ordenação política). O pressuposto não dito é o seguinte: a existência de um regime político é preferível à sua inexistência. Dito de outro modo, a política é uma inevitabilidade para a espécie humana. Estamos feitos!
Se se estiver atento descobrem-se, relativamente aos regimes políticos, quatro qualificações a considerar: 1. o preferível; 2. o possível; 3. o de mais fácil aplicação; 4. o mais comum. Estas qualificações não têm de ser lidas como excluindo-se umas às outras, embora existam tensões interessantes entre elas.
Aristóteles opõe ao «melhor regime» o «regime possível». Este é aquele que cada condição espácio-temporal e de cultura cívica permite organizar. A política não depende da verdade, mas de uma adequação pragmática às condições de possibilidade. Esta meditação aristotélica é um poderoso adversário da doutrina do neo-conservadorismo evangélico norte-americano: a ideia de que a democracia é o melhor regime e que é exportável, independentemente das condições. Este tipo de pensamento transforma o regime democrático -liberal também numa espécie de utopia. Aqui, poderemos articular a ideia de regime possível com a ideia de regime de mais fácil aplicação. Aristóteles afasta a ideia de que se deve impor o regime mais comum. Subjacente a isto está que o regime mais comum (aquele que existe em maior número de comunidades políticas) pode não ser aplicável a uma dada comunidade concreta. Uma ideia interessante é aquela que termina o texto de Aristóteles: «o político deve ser capaz de auxiliar os regimes já estabelecidos». A questão não seria então de fazer as comunidades políticas abandonar a sua tradição, mas respeitar as tradições políticas existentes, melhorando-as, mas no respeito pela sua multiplicidade
Apesar da sua abordagem aparentemente conservadora (melhorar o regime existente, escolher o possível em vez do excelente), Aristóteles deixa em aberto a questão. Como se faz isso? Faz-se, ao não eliminar a consideração do «melhor regime». A prudência manda respeitar a multiplicidade de tradições políticas, a facilidade de persuasão dos cidadãos e o que é possível. Mas não fica fora do debate «científico» a questão do melhor regime. A ideia do «melhor regime» constitui-se não como um programa a levar à prática (por exemplo, foi o que o leninismo tentou fazer com o marxismo, ou Bush no Iraque), mas num ideal regulador da acção política.
E ao fim de 36 anos do regime político que temos em Portugal, podemos chegar à conclusão que o mesmo se esgotou, completamente.
Portugal, dentro do regime democrático, necessita de reformar a sua Constituição e avançar para o que é inevitável – O Presidencialismo.
Um Presidente eleito que escolha o seu Governo, sem qualquer correlação com a maioria existente no Parlamento.
“Piscis minutos magnus comest.” [Varrão, Nonius 2] O peixe grande come os miúdos.

segunda-feira, 20 de dezembro de 2010

ENQUADRAMENTO DAS MASSAS

Mãezinha!
Espero que estejas já de volta das rabanadas. Estou danadinho, de me sentar, descansado, a comer uma rabanada e deixar por momentos de pensar na vida. Já viste, mãezinha, como é ingrato este povo?
Temos procurado ser justos com os que mais sofrem de injustiça. No nosso país, graças a mim e ao Partido, não existem classes privilegiadas, nem classes diminuídas. O povo somos nós todos, mas a igualdade não se opõe e a justiça exige que onde há maiores necessidades aí seja maior a solicitude. Não se é justo quando não se é humano. Diz-me, mãezinha: “do que seria de todos nós, se não tivéssemos protegido os desvalidos dos bancos, que tanto se têm esforçado, para comprarmos as nossas casinhas”?
A esta hora, já não havia “offshore”. Te garanto! Tinham ido atrás dos bancos.
Agora, só porque vamos aumentar um pouquinho o IVA, aumentamos os combustíveis, a electricidade, os transportes públicos e reduzimos o apoio, a essa malta, parece que já todos vão votar no Silva, mesmo pondo a mão, em cima da fotografia.
Mãezinha, nem tudo está mal. Temos feitos progressos, na formação de elites, que eduquem e dirijam o país. Põe os olhos na juventude socialista, mãezinha. Sem uma elite forte, como a que foi a da minha geração, seria ainda mais grave a crise nacional. Daqui para a frente, só as gerações em desenvolvimento, se devidamente aproveitadas, nos fornecerão os dirigentes, indispensáveis à nossa completa renovação. Começamos por recrutá-los, à saída da universidade. Pomo-los candidatos a uma Câmara e se porventura não ganharem, vão para uma Secretaria de Estado.
É muito mais proveitoso, a criação destas elites, do que a criação das novas oportunidades. Dá menos nas vistas! Deste modo, ninguém embirra com a rapaziada.
Mãezinha! Ao fim e ao cabo, os grandes problemas nacionais têm de ser resolvidos, não pelo povo, mas pelas elites do partido, enquadrando as massas. (Percebeste, esta?)
Estou feliz, mãezinha. Porque finalmente e é o que importa, é que encontrámos o verdadeiro caminho, segundo o qual o povo pode viver tranquilamente a sua vida e o país cumprir a sua missão histórica, isto é, que se realize o essencial na vida e se seja fiel ao que é permanente na História do Socialismo Democrático.
Como o povo tem memória curta, incube-nos avivar até ao cansaço a recordação dos tempos em que o país foi sacrificado nas mãos de um tirano, que tirou o país da “banca rota”, dando-nos, durante anos e anos um Orçamento de Estado com “superávit”. Mas, para quê, mãezinha? Não estamos melhor assim?
Não desistas, mãezinha de fazer as minhas rabanadas(enquadrando as massas), porque no Natal, é só paz e fraternidade e temos que aproveitar estas épocas para dar um toque de lamechas.

Cumprimentos aos primos e aos tios, e um Natal cheio de rabanadas.


“Magnus es in verbis, in factis nullus haberis.” [Binder, Thesaurus 1748] És grande nas palavras; nas ações, tu não vales nada.

QUANDO ALGUÉM PARTE

Quando alguém parte, porque deixa uma instituição, não se faz uma referência, “aos que partem”. Dá a sensação que estamos a falar dos que partem, para o reino dos céus. Francamente…falta de mau gosto, roçando o cabresto da besta.
Na realidade, as pessoas partem, mas antes, de partir, deixaram as suas impressões digitais, em tudo o que fizeram. Deixaram amigos e inimigos! Deixaram obra feita!
Esses, os amigos, dão uma palavra de conforto e dizem, o que é de esperar, num amigo…obrigado. E deveria ser de esperar, da própria instituição. Mas, como esta é representada por pessoas e as mesmas são casca grossa, o resultado é zero. Os inimigos, para seu próprio conforto, porque, a “vida” continua, dizem, que partem.
Partem para ficar longe das bestas, dos carroceiros que pululam por esta sociedade, pensando que são alguém na vida. Partem, porque se fartaram de “vilanagem”. Faz-me lembrar aquela frase do “Simpsons”…” pode ter-se muito dinheiro, mas um dinossáurio, ele não pode comprar”.
Na realidade, quando se vive a esgueirar a vida, como se de uma gincana se tratasse, procurando levar o ovo, na colher de sopa, mantendo um equilíbrio precário e porque, não se “trepa” na vida, de qualquer jeito…é preciso ter jeito, já que a cabeça é oca. É oca por falta de princípios e de educação, é oca por mau carácter, é oca porque o sistema parassimpático e o simpático, estão permanentemente em rota de colisão. Por último, a educação não se “compra”, também, porque esta vem do berço.
E para os que pensam que são caçadores treinados, devem perceber que, na caça ao coelho, estes andam aos “zigs zags”. Quando se pensa que se está atirar para o zig, o coelho salta e vai para o zag. E o caçador falha o tiro!
A decadência do país, começa pelas pessoas que se encontram à frente das instituições…se estas não vivessem à sombra dos outros, não passariam de “pastores”, a roçar o cabresto da besta, que são eles próprios.

“Memoria iusti cum laudibus, et nomen impiorum putrescet”. [Vulgata, Provérbios 10.7] A memória do justo será acompanhada de louvores, e o nome dos ímpios apodrecerá.

sexta-feira, 17 de dezembro de 2010

AMIGOS QUE SE PERPETUAM

Não é fácil gerir sentimentos. Diversas interpretações se colocam, por vezes, diante das mesmas situações. Tudo depende dos interlocutores.
As formas de sentir são sempre diferentes. Cada um de nós sente de modo diferente.
A importância de determinados acontecimentos na vida, de alguém, tem o valor que essa mesma pessoa lhes atribui.
Não são forçosamente valorados da mesma forma pelos outros. Mas, existe sempre uma necessidade, em cada um de nós, de avaliar os nossos, comparando com os outros.
Nunca somos suficientemente felizes, mas comparando com os outros, somos os mais infelizes, quando somos confrontados com alguma vicissitude da vida.
Por exemplo, a doença. Sim, porque a valoração que damos ao nosso problema é sempre maior do que os outros, principalmente, quando não temos os outros perto de nós, de modo a que possamos inteirarmo-nos, do seu sofrimento e das suas angústias.
E, porque se trata da nossa própria vida.
Que sentido faz a vida, se nós não participamos nela? Quando muito, antes de se partir, preocupam-nos as pessoas que amamos.
Eventualmente, uma manifestação de egocentrismo, no seu ponto mais alto. Não deixa de ter alguma legitimidade para se actuar deste modo. Ao fim e ao cabo, trata-se da nossa própria vida. E, como diz o ditado, se tiver que ser, "antes ele que eu"!
Mas, quando numa sala de estar de um hospital oncológico, nos cruzamos com alguém, com quarenta e poucos anos, mãe de um filho com onze anos de idade, em que o azar bateu, primeiro no cólon dos intestinos e depois, viajou até ao fígado, subindo aos pulmões e se procura, em todas as alternativas, a vida, não conseguimos ser insensíveis.
Porque, o combate pela vida, primeiro nos hospitais de Lisboa, depois em França e por último em Espanha, não nos deixa, de modo nenhum insensíveis.
Uma experiência, em que se tenta todas as hipóteses, para conservar o que de mais rico temos em nós, a vida. E esta experiência é de imediato, partilhada, de um modo desinteressado e até entusiasmante, como quem pretende dizer: “ partilha a minha experiência, porque vale a pena, para tentares salvar a tua vida”. “Vê o que eu tenho conseguido”! “Com tudo isto, e até agora, resisti.” “Portanto, se eu consegui estas “vitórias”, também podes conseguir.”
No íntimo, tenta-se “acompanhar” o outro. É bom sinal…porque significa que se está a acompanhar.
Este dar, está relacionado com a vida. Procurar que o outro tenha, também vida. Porque se resultar com ele, então, também resulta comigo. Logo, porque não havemos de partilhar a vida e os sucessos que possamos ter, para manter a vida?
A pessoa humana é de facto espectacular…porque partilha a vida, quando lhe vê escapar a vida. Mas, por natureza, quando temos a ideia de que somos donos da vida, temos dificuldade em partilhar, algo na vida. Nessa altura, escondemos os segredos da nossa vida. Não vá o outro, ter mais sorte, do que eu, na vida!
Na realidade, quando aquilo que procuramos é só, manter-nos vivos, vale tudo, inclusive, partilhar os nossos sucessos de sobreviver, perante a “pandemia” do século.
Ficam para trás, os interesses materiais e aqueles, que à partida, orientaram a vida, pensando que eram donos da mesma.
A conversa entre duas pessoas ou mais, que se encontram, na sala de espera de um hospital oncológico, não passa pelos sucessos comuns da sua vida, nem tão pouco, os sucessos e êxitos dos filhos, mais pródigos ou não, que cada um de nós pode ter, e que, de certo modo, espelham a maravilha que somos ou a nossa continuidade, ilustrando toda uma vaidade, que fica muito aquém, do que é a preocupação, de quem só quer salvar a vida e partilha os seus conhecimentos e experiências, procurando dar vida. Porque a vida dos outros, neste caso, pode espelhar a sua própria vida.
Mas, numa sala de espera, nem só as pessoas “apanhadas” pela doença, fazem parte da assistência. Estão presentes, também, quem acompanha os doentes, procurando manter um determinado ambiente, de um modo altruísta e autodidacta. Sim, autodidacta, porque, se é o próprio paciente que tem de aprender a “viver” com a doença, quem o acompanha tem, a todo o momento que aprender, por si próprio, a ultrapassar os momentos de declínio, nas diversas fases da doença.
Muitas vezes, uma notícia de que a situação está estável, representa um sucesso, que não deixa indiferente ninguém e que é, sempre, um sinal de esperança e de vitória Do mesmo modo, quando a notícia é menos favorável, a força anímica tem que ser encontrada de imediato.
Também aqui, se encontra um “elo” de solidariedade, que só é entendível, por quem vive e acompanha um paciente, que dia após dia, vai espectando, para que o “euromilhões”, não saia nos próximos exames médicos.
Vale a pena combater, aquele conjunto de células que entendem falar outra língua, de modo que ninguém as entenda, para baralhar a vida. Assim, como vale a pena, acabar por conhecer, quem também fale a”língua” de quem está doente e que, sem preconceitos, sem vaidades, acaba, ao transmitir as suas experiências, por dar alento ao companheiro(a) de infortúnio.
E quem tiver a sorte, de ter por perto, quem acompanha, e que vive as alegrias, das boas notícias, mas consegue encontrar, também, de imediato, a força anímica necessária, a minimizar as más noticias, acaba por ter sorte, no azar. Talvez, tenha dentro do azar, a sorte, de ter uma das maiores sortes da vida…o de na realidade, com toda a certeza, encontrar amigos, que se perpetuam, para além da vida.
Porque não é possível viver uma vida com estas ligações, sem que as mesmas, não se perpetuem para sempre.


“Malorum in una virtute posita sanatio est.” [Cícero, Tusculanae Disputationes 4.15] A cura de todos os males está exclusivamente na virtude.


sexta-feira, 10 de dezembro de 2010

A DECADÊNCIA DE PORTUGAL – DUZENTOS ANOS DEPOIS

Nos últimos duzentos anos, Portugal, tem sido o palco dos caracteres corrompidos, numa prática de vida de conveniência.
Parece que tudo começou a destrambelhar, desde a primeira “Carta Constitucional”.
Foram anos de lutas e debates, em que o país se foi afundando. Até que a ideia começou a germinar, que seria a República a solução dos males, até então vividos. Assim não foi, porque o país continuou em completa pobreza, ainda, por cima, com a entrada, na fatídica primeira guerra mundial.
Golpe de Estado! Estado Novo. O país começou a desenvolver-se, devagar, em função das suas posses. Ensino primário com a construção de escolas, novos hospitais, como foram o de Santa Maria, em Lisboa e o S. João, no Porto e por aí fora.
Mas, o sistema de governo não era democrático. A democracia sim, essa é que entregaria ao povo a liberdade e o progresso. Não nos podemos esquecer, do desenvolvimento industrial, embora condicionado, que o país beneficiou, nesta época. Um dos exemplos foi o complexo industrial do Barreiro, a CUF e nos anos sessenta a indústria dos países da EFTA.
Porque, hoje, voltei a reler um pequeno texto, de Eça de Queirós, que continua a ter a mesma força, que teve, quando o escreveu, tomo a liberdade de o transcrever, porque, acho, que, tem o mesmo vigor de outrora, em relação a um país que depois de beneficiar de milhões e milhões de euros, continua em decadência acelerada.

“A DECADÊNCIA DE PORTUGAL”

“O país perdeu a inteligência e a consciência moral. Os costumes estão dissolvidos e os caracteres corrompidos. A prática da vida tem por única direcção a conveniência. Não há princípio que não seja desmentido, nem instituição que não seja escarnecida. (veja-se o Governo, o Parlamento, os Tribunais, etc.). Ninguém se respeita. Não existe nenhuma solidariedade entre os cidadãos. Já se não crê na honestidade dos homens públicos. A classe média abate-se progressivamente na imbecilidade e na inércia. O povo está na miséria. OS serviços públicos são abandonados a uma rotina dormente. O desprezo pelas ideias aumenta em cada dia. Vivemos todos ao caso. Perfeita, absoluta indiferença de cima a baixo! Todo o viver espiritual, intelectual, parado. O tédio invadiu as almas. A mocidade arrasta-se, envelhecida, das mesas das secretarias para as mesas dos cafés. A ruína económica cresce, cresce, cresce…O comércio definha, a indústria enfraquece. O salário diminui. A renda diminui. O Estado é considerado na sua acção fiscal como um ladrão e tratado como um inimigo.”

Uma Campanha Alegre – Eça de Queirós

“Per multum “cras, cras”, omnis consumitur aetas.” [Binder, Thesaurus 2534] Com muito amanhã, amanhã, perde-se o tempo todo.

quinta-feira, 9 de dezembro de 2010

TRISTEZA

Tristeza é quando chove ou quando está calor demais.
Quando o corpo dói ou não dói e os olhos pesam ou não pesam.
Tristeza é quando se dorme pouco ou quando se dorme muito, quando a voz sai fraca, mas também pode sair forte, quando as palavras cessam ou quando elas abundam, mas se o corpo desobedece, que se há-de fazer? Uma dose de vitaminas!
Tristeza é quando não se acha graça a nada, quando nos tornamos chatos para burro. Chateamo-nos a nós e aos outros.
Quando não se sente fome ou quando nos dá um apetite dos diabos.
Quando qualquer brincadeira é uma chatice e nos pomos com a pieguice de chorar. Tristeza só dura enquanto a gente quiser.
Se quisermos ela vai acabar.
Não importa se és do tipo de pessoa que procuras ajuda, ou daquelas que preferem isolar-se. Podes sim, fazer algo por ti. A primeira coisa importante é lembrares-te que na vida tudo passa, então, em breve, essa tristeza terá passado também. Lembrarmo-nos disso faz com que consigamos colocar a tristeza em seu devido lugar, diminui a sua intensidade e ajuda-nos a observá-la de fora.
Enfim…a deixarem de ser chatos! Porque a vida não se compadece dos chatos! A partir de determinada altura já deixamos de dar atenção ao modo reiterado, daqueles que estão sempre chateados!
Há quem tenha por hábito chatear-se, por isto e por aquilo. Que veja em tudo maldade. Que não acredite nos outros.
Ah, e quanto a sentimentos, nem falar! Pois, aí, é possível toda a especulação. Criam-se factos, utilizam-se argumentos para esgrimir as nossas razões. Uma vez mais, estamos a ser chatos.
Penso que, em vez de sermos chatos, vale a pena sonhar. Idealizar ou desfrutar os prazeres já vividos. Os momentos que nos deram felicidade. Quando isto acontece, ganhamos forças para ultrapassar o momento de sermos chatos. O momento em que nos parece que tudo na vida nos cai em cima.
Sim…há coisas bem pesadas na vida e eu tenho tido experiência delas. E algumas, consomem-nos e acompanham a nossa vida, até que se faça luz.
E, a mim, aconteceu-me! Então, pus-me a pensar e fui direito ao norte!
Imaginei que tinha como cenário o mar, com as suas ondas tocadas pelo vento. E por acaso, o vento sopra lá fora, bem forte. Vento de inverno…que traz chuva, muito chata. Esta sim é chata. É chata porque nos obriga a andar de guarda-chuva. É chata porque nos molhamos, é chata porque nos retira mobilidade. Até para secar a roupa é chata. A roupa continua molhada.
Mas aqui, também devemos parar e pensar que se pode desfrutar, desta chuva chata, tirando algum prazer, com o sonho dos dias de sol. Mas, quando não há calor demais…senão, é chato e é tristeza.

A natureza é assim mesmo. Uns dias chovem, outros fazem sol. E o mesmo se passa connosco. Uns dias chovem, outros fazem sol.
Temos é que pensar e acreditar que o modo como vemos a vida é problema criado por alguém que está a ser chato. E esse alguém, somos nós!

Porque não gosto de ser chato, vou acreditar que posso e tenho o direito de não ser chato e viver, o que de bonito tem o triângulo, que tenho procurado construir, onde possa reinar a paz, o amor e o silêncio.

« Modus omnibus in rebus optimum est habitu. » [Plauto, Poenulus 238] É bom ter medida em todas as coisas. ■Em tudo convém medida. ■Nem oito nem oitenta.

CARTA AO PAI NATAL

Mãezinha, desculpa não te escrever, desta vez. É, que estamos em época Natalícia e tenho de aproveitar o tempo para escrever ao Pai Natal.
Também, é só uma vez por ano que faço isto. Ao longo do ano, tenho sempre mandado cartinhas para ti. Mas, estou muito precisado de fazer alguns pedidos e não quero que ele se esqueça de mim.
Sim, mãezinha! Eu sei que já compraste umas coisinhas para mim, na “Loja do Chinês.” Estes, actualmente, são os únicos que vendem barato e compram barato. Vê o caso da dívida pública portuguesa.
Mas, o que tenho para pedir ao Pai Natal, tu não consegues comprar, na “Loja do Chinês”.
Em primeiro lugar, quero pedir, com todo o fervor, que se encontre petróleo em Portugal. Não vejo outra maneira de salvar este país. Passávamos a comercializar em “euro petróleos”. Palavra de honra que acabava com esta porcaria da divida pública, do défice e até podíamos aumentar os funcionários públicos, mais 2,9%, outra vez.
Se assim fosse, já tinha garantido, mais uns dez anos à frente desta mercearia.
Mas não! Não vamos ter essa sorte. O que vamos encontrar é cada vez mais o petróleo a subir de preço. Dizem que há países que estão a crescer, mas connosco é sempre assim. Só nos comparam com o que há de pior.
Ah, se a Espanha está mal, então nós, não nos podemos queixar. E A Irlanda? Que era o tal “tigre” europeu? Já viram como as coisas estão?
Mas, Pai Natal. Além do petróleo, que nos dava muito jeito, vê se fazes compreender, a esta malta, que não vale a pena fazer greve.
Mas, a final estou a pedir tudo para o país e não estou a pedir nada para mim.
Pai Natal, não te esqueças de mim…se nada se resolver, vê se consegues arranjar-me um lugarzinho ao sol, numa qualquer instituição dessas boas, lá fora.
É que se não encontrarmos petróleo em Portugal, estou arrumado. Tenho mesmo de emigrar.


« Multos expertus sum qui vellent fallere; qui autem falli, neminem. » [S.Agostinho, Confessiones 10.23] Conheci muitos que queriam enganar; que quisesse ser enganado, nenhum.

quarta-feira, 24 de novembro de 2010

GOVERNO ADERIU À GREVE

Notícia de última hora: “ O Governo aderiu à greve”. Na realidade era um sossego, que o Governo ficasse quieto. Poupava no papel higiénico, que se gasta nos ministérios, com tanta borrada que é feita. Economizava energia. Menos ventoinhas a funcionarem para produzir electricidade que fica mais cara que a produzida por outros meios, pois é subsidiada, embora seja mais uma das panaceias dos idiotas que pululam por aí. Nunca mais se falou ou discutiu as centrais nucleares, porque já temos uma junto à fronteira. Só que não é nossa. Só será nossa se alguma coisa correr mal…
Entretanto, e na senda da última greve geral, temos os mesmos senhores a fazer greve…transportes públicos, professores e enfermeiros e outros.
Os transportes públicos só beneficiam os ricos…a malta que ganha bem e que não tem dinheiro para ir de automóvel.
Este meio sempre foi precioso para condicionar, todos os trabalhadores que não têm outro remédio, senão utilizar os transportes públicos. E são uns milhares largos, basta ver o número de pobres que tem Portugal e que trabalham. Sim! Não são os que vão vivendo dos expedientes dos subsídios, baixas fraudulentas por doença ou que não aceitam um trabalho porque não compensa, em face do valor do subsídio de desemprego, versus o que paga o patronato e ainda os que conseguem aldrabar as juntas médicas e vão para a reforma, etc.
Os professores estão com péssimas condições. Porque é que eu não fui, antes, para professor primário? Com a idade que tenho, estava na reforma, com mais de 2.600 euros por mês. Assim, só tenho direito à reforma, quando tiver mais de 65 anos de idade e a mesma, será cada vez menor. Pois, pudera! Tenho de continuar eu, e tantos outros, a trabalhar para esta treta. E tudo isto, foi conseguido, com o 9.º ano de escolaridade e mais dois anos de didáctica A e B.
E andei eu, a vida inteira, a estudar! Para passar recibos verdes, como advogado, são 7 anos, depois de 12 anos. E se for para dar umas “aulitas”, numa universidade, a recibo verde, ainda temos mais 3 anos, no mínimo e para quem consegue acabar a tese final, neste prazo. Sim, porque as universidades do Estado estão cheias dos primos, cunhados, amigos e outros quejandos tais.
Quanto aos enfermeiros, estão mal, sim senhor. Até já tem uma “Ordem” e tudo, e começam a trabalhar nos Hospitais do Estado a ganhar menos que os professores primários.
Por mais “ordens” que criem, não conseguem pôr este país na “Ordem”.
Em alternativa, poderia ter tirado um curso de três anos de ginástica, na tropa, e hoje, estava na reserva a mamar do bem-bom. Direito a almoçar por preços módicos nas cantinas, a beneficiar dos hospitais militares e sei lá que mais.
Senhores sindicalistas! O Governo está-se nas tintas, para greves! Quantas paralisações já tivemos este ano? Recordo-me dos dias de paralisação, quando da visita do Papa. O último, foi a tolerância de ponto, no dia 19 de Novembro, de 2010. Falta contabilizar, as pontes que vão sendo feitas durante o ano. Mais um dia de paralisação? Qual é o problema?
O problema está no pessoal, que vai continuando a votar nesta farsa, de uma democracia representativa e, que vai alternando esta maralha no poder. Se querem “ajudar” o país, senhores ministros, façam greve! O povo agradece!

“Graviora manent.” [Virgílio, Eneida 6.84] O pior está por vir.

terça-feira, 23 de novembro de 2010

PORTUGAL NÃO PRECISA DE AJUDA

Minha rica, mãezinha. Que saudades que tinha. Esta coisa da NATO deixou-me completamente extenuado. A correr de um lado para o outro. Mas viste que não se falou de outra coisa, senão de Portugal e a sua capacidade de vender “capacetes anti -míssil”.
Parece que até em Oeiras se fez um novo bolo com o nome de Obama. Fantástico. Um dia destes tenho de pedir ao Marco que me leve até essa pastelaria, pois não posso deixar de “comer” um Obama.
O quê? O António Costa fez aquela cena de não dar tolerância de ponto em Lisboa? Oh, mãezinha…essa foi mais uma cena daquele mariola. Também se está a perfilar para a corrida, como se eu fosse desistir da mesma. Vão ter que me aguentar.
Portugal não precisa de ajuda, graças a mim e ao meu governo. Foram estes seis anos de governação que fizeram com que o país não necessitasse de ajuda. Contrariamente à Irlanda. E não sou eu que o digo, é o actual e futuro Presidente de todos os portugueses.
Sim, mãezinha, o Pateta não tem hipóteses. De outro modo eu não andava tão sossegado com o Aníbal. Ora essa!
Mas, quem é que se anda a colocar em posição para comprar divida pública portuguesa é Timor, depois de Angola e dos Chineses? Oh, mãezinha! Eles compram porque querem. Porque sabem que isto é um bom investimento. Acreditas que de outro modo as coisas eram assim? Não, mãezinha! Eles compram dívida portuguesa, porque têm a certeza que nós não precisamos de ajuda e que vamos pagar esta coisa, continuando a contrair mais empréstimos. Oh, mãezinha…isto é como o cartão de crédito. Quando acaba o limite de crédito num cartão, nós começamos a utilizar o outro cartão. Ah, os juros? Não te preocupes. Isso é para ir pagando, também. Como? Oh, mãezinha, com mais impostos, é claro. Como é que estavas a pensar que era? A vender Magalhães, não? Não me faças rir.
Fizemos aquela treta da demagogia de cortar 5% nos gestores públicos. Agora, vai toda a malta levar com a redução no ordenado. E o resto das medidas? Mãezinha, nem te vou, nesta cartinha de família, explicar a marmelada que vai dar. Mas não pode ser de outra maneira. É assim, que Portugal não precisa de ajuda.
Quando formos ao fundo é sem ajuda! A ajuda é precisa é depois. Depois, do país estar no fundo. Vai para mais de seis anos que desgoverno esta trampa e ainda não entendem nada do que eu digo?
Beijinhos mãezinha. Vou ver se como um “Obama.”

PS: Não te preocupes com os “doces” que eu como. A correr desta maneira, dou cabo dos açúcares todos. Nem no dia 24 eles me põem azedo.

"Crebro ignoscendo facies de stulto improbum." [Publílio Siro] Perdoando sempre, de um tolo farás um mau-caráter.

terça-feira, 16 de novembro de 2010

UMA NOITE NUM HOTEL

A corista entrou na sala. Com o seu ar sobranceiro, martelando os tacões dos sapatos no chão, como a dizer…”aqui estou eu”. O “gigolô” com o ar de covarde, entrou de soslaio, como a dizer…”não sou de cá”. “O que me interessa são contas”!
A sala continua a sua actividade, como nada se tivesse passado, menos os que directamente estavam incomodados com a presença da corista.
Mas isto não é nenhum “pub”, nem tão pouco o “mercado do Bolhão”? Sem ofensa por tão dignas pessoas que levam a sua vida a trabalhar de modo honesto, mas em que a educação recebida e o ambiente à sua volta gerado, provoca manifestação de emoções, a que não estamos, normalmente habituados.
Havia um ex-cliente que era alvo da corista. Os amigos, incomodados de imediato, entraram num frenesim. Temos que o proteger desta “peixeirada”.
E ainda a sessão continuava, quando o ex-cliente e os amigos, preparam a saída, apressada.
Dirigiram-se a um elevador que tardava em chegar. E depois de entrados, tardava em descer. Neste percalço de tempo, a corista, mantendo a sua atitude, de quem está habituada a andar na vida, entrou de rompante e procurou agredir o ex-cliente, como se este se tivesse “pirado” sem pagar a última noite.
Entre tentativas e ameaças, mostrou-se uma mulher determinada, acabando por dizer…”tenho uma arma… dou-te um tiro na cabeça”.
Quer dizer, que nem deu opção de escolha. Tinha que ser na cabeça. Alguma fixação se calhar, pela cabeça do ex-cliente.
É bem feito. Eu próprio, dou conselhos, que a malta não se deve meter com mulheres deste “calibre”. Vejam lá, se o ex-cliente alguma vez engravidasse a corista? Deus me perdoe, mas seria um filho da p…? Tal como o “gigolô”?
Já depois de dominada, a corista, também conhecida pela “two faces”, entrou num choro, que quebra o coração dos homens menos prevenidos.
Ora, uma corista, já com uma idade respeitável, deveria ter junto algum dinheiro para as adversidades da vida, entre elas o de poder comprar umas calças ou uma saia, para não se apresentar, com o fato de trabalho. Sim, porque um casaquinho curto de pele de coelho, não dá estatuto a ninguém. Faz é realçar o estatuto da “profissão”.
Esta é mais uma peripécia, vivida num Hotel. Quantas haverá? Maiores, melhores? Mais requintadas?
Afinal, um Hotel deve ser um local para descanso, realização de eventos ou para uma noite de amor. Não de zaragata!

“Mulier in aedibus atra tempestas viro.” [Grynaeus 252] Mulher de rixas em casa é tempestade para o homem

sábado, 13 de novembro de 2010

A VIDA “PASSA” POR NÓS



Começamos por não ter a noção de quem somos. Quando olhamos, ao nosso redor, a primeira vez, vimos a imagem de quem se encontra perto de nós. Aprendemos a ser protegidos e vamos, a partir daí, procurar a vida inteira, a protecção.
De acordo com o nosso crescimento, aprendemos, também a dormir. Encontramos posições diversas, de acordo com a postura que temos na vida. Mais descontraídos ou mais retraídos, conforme se vai sentindo a protecção, que se tem na vida e o nosso modo de estar, na mesma. São adaptações que funcionam, como escape, do que foi o dia. Quem não se adapta, por si só, tem de encontrar outros meios de se procurar proteger. Há quem não consiga dormir, e encontra, no apoio dos fármacos, a ajuda necessária. Há quem durma profundamente, como se a mente se refugiasse nesse sono profundo, recarregando baterias que se esgotam ao longo do dia.
E de adaptação, em adaptação, procura-se ao longo da vida, as realizações, aquelas que nos parecem ser a nossa satisfação. Também há, quem, depois de um sono profundo, normalmente, com ajuda dos fármacos, não tenha a força de vontade necessária, para as suas realizações. É como o deixar correr a pena, de tal modo que a vida vai passando, mas, que nos importa, se a vida, nestes casos não faz grande sentido. Ou se calhar faz sentido, deste jeito.
De qualquer dos modos, a vida vai correndo. Vai passando por nós. Poder-se-ia dizer, de outro modo, mais bonito e filosófico, que nós, é que temos de passar pela vida. Outra forma de refúgio, perante as agressões da vida. É como se estivéssemos a adequar o nosso modo de dormir, em função da vida.
Passamos, deste modo, a vida, a proteger-nos. Mas, quando já não conseguimos proteger-nos, ficamos inteiramente à disposição dos diversos agressores.
Em Portugal, a família já é um lugar perigoso. Mas, os que se encontram fragilizados e que pensaram, toda a sua vida, que a sua protecção, continuaria, quando chegassem ao fim da vida ou, numa eventualidade, de uma vicissitude, daquelas manhosas, tal como a sentiram, quando a vida passou por eles, encontram, mais do que o abandono, a agressão física.
As estatísticas e as queixas não dizem tudo. A vergonha impõe-se e é mais forte do que o sofrimento.
Os fragilizados da vida, são hoje, vítimas de violência física, psicológica, sexual e económica. Quantos não “vivem”, a sua vida, “sequestrados”?
Quantas pensões não se encontram confiscadas, por aqueles que se dizem protectores?
“ Dantes na minha casa, no Natal, eram mais de vinte pessoas. Agora sou só eu”.
Estou a citar a declaração de alguém que, com 84 anos, foi barbaramente espancado pelo único filho, que “tem”. E porque estamos, hipocritamente, em mais uma época de Natal, talvez valha a pena pensar, que todos nós, que aprendemos a ser protegidos, podemos, um dia, não ter protecção.
Talvez a possamos encontrar, num qualquer supermercado, num stand de automóveis ou numa imobiliária. Quem sabe, se este é o caminho.
Mas, se a falta de protecção vai até à agressão física, a exploração económica é uma das queixas mais frequentes que chegam à linha telefónica do Provedor do Idoso. (http://www.provedor-jus.pt/idoso.htm)
Nos relatos apresentados, desde a neta que só visitava o avô no dia em que ele recebia a pensão – para ficar com ela –a uma idosa que foi posta na rua pela família por acharem que ficava muito dispendiosa.
Isto não é ficção. É a realidade de um país, de fortes inspirações cristãs e católicas, onde a miséria e a pobreza, parece que continua a ser o caminho, para a porta dos céus. Onde se continua a falar de caridade (conceito cristão) ou se fala de filantropia, conceito romano( 316 D.C.), contrapondo-se, ao do conceito de caridade, criado pela religião.
Às vezes, ponho-me a pensar se isto tem alguma coisa a ver com o crescimento do P.I.B. Ou se, eventualmente, é o TGV que nos levará à anarquia social, numa parceria público – privada.
Pública, porque o Estado começa a demitir-se e a empurrar as suas responsabilidades, que assumiu, no dia em que nos começou a “sacar” impostos, para uma dita “sociedade civil”, (que ainda não entendi bem o que é).
Privada, porque quem teve a oportunidade de “amealhar” durante a vida, “com protecção”, pode ir para o supermercado dos idosos ou dos fragilizados, e comprar o seu espaço de vida com dignidade e bem -estar, como se fosse a uma agência imobiliária.
Na realidade, a sociedade, já está a valorizar a pessoa, não pelo que esta aportou de experiência, conhecimento, trabalho e de protecção, aos outros, unicamente, como mais um produto de consumo. Estamos, todos nós, a viver o “stand da vida.” Neste caso, a sociedade está a proporcionar o “subsidio para abate”.
Nos próximos 40 anos, um terço da sociedade portuguesa será representada por uma população idosa.
Que se cuidem, os que tem trinta anos de idade, no momento em que escrevo este “post”.
A vida “passa” por nós!


“Sana me, Domine, et sanabor; salvum me fac, et salvus ero.” [Vulgata, Jeremias 17.14] Cura-me, Senhor, e eu serei curado; salva-me, e serei salvo.

quinta-feira, 28 de outubro de 2010

VEM AÍ O FMI

Mãezinha.
Recebi a tua cartinha que acabei de ler. Sabes que estamos aqui numa de braço de ferro.
Nós fizemos as borradas e o PSD dá-se ao luxo de querer saber onde é que andámos a gastar o dinheiro, para que a divida tenha crescido exponencialmente de 2009 para 2010. Era o que faltava. Os culpados são eles.
Então, agora querem saber que despesa é que vamos diminuir para alcançar o défice de 4,6%? Já viste isto, mãezinha? Passa pela cabeça de alguém? Temos é que diminuir o défice e mais nada. E é isso é que eles não querem. Bem, quererem, querem. Mas querem reduzir a despesa. Não pode ser.
E depois, vêm com aquela cantiga de qual vai ser o futuro. O futuro? Estes gajos não compreendem que o que nós precisamos é de ter um orçamento? O futuro, depois, se vê. Os tempos de hoje, não estão feitos para andarmos a pensar no futuro. É por causa dessas coisas que nós não sabemos o futuro. Se fosse para isso, em vez do Teixeira, tinha mas é um tipo a deitar os búzios e adivinhar o futuro.
Ao longo dos anos que temos vivido assim…sem futuro. Fazemos um orçamento, se a coisa der para o torto, alteramos o orçamento, e no final do ano, depois de todos os desvios apurados, e mais aqueles que vamos encobrindo, com a desorçamentação, fazemos um novo orçamento.
Isto é uma embirração do PSD. Logo agora, que tanto precisávamos de dinheiro emprestado. Se aqueles sacanas não se abstêm, vai ser uma chatice.
Se dá para fazer outro orçamento? Dar, dá, mãezinha. Só que eu quero este orçamento. Mais orçamento, menos orçamento, não vai adiantar nada. Quando chegarmos ao final do ano, se tivermos que acertar as contas, outra vez, aumentamos os impostos, reduzimos os benefícios e pronto.
A energia eléctrica pode continuar a subir. Os transportes a mesma coisa. Os benefícios nos medicamentos podem ser reduzidos. E, já agora, pode-se aumentar as listas de espera para as cirurgias e fechar as escolas, todas, que tenham menos de 30 alunos, já que 21 não chega.
O rendimento mínimo? Oh, mãezinha, com essa malta é que eu não me meto. Se não começava tudo, para aí, à navalhada. Cortar nos benefícios dos militares? Nem penses, mãezinha. Foi por causa duma merda dessas que o Marcelo Caetano se tramou.
Mas, fica descansada que, eu vou nomear para o próximo ano, uma comissão para estudar o futuro. Vamos contratar os melhores videntes, cá da praça, e eles que resolvam esta coisa, já que não temos economistas competentes, nem engenheiros, a sério, que levem a construção deste país para o futuro, de um modo equilibrado, eficiente e económico.
PS: Como vem aí o FMI, vê lá se ainda temos aquele espaço de escritório para arrendar.

Beijinhos!

«Multos expertus sum qui vellent fallere; qui autem falli, neminem.« [S.Agostinho, Confessiones 10.23] Conheci muitos que queriam enganar; que quisesse ser enganado, nenhum.

terça-feira, 26 de outubro de 2010

ESTE ORÇAMENTO DÁ SEGURANÇA

Mê rico filho.
Já não me sentia tão segura como agora. Depois destas tuas palavras, parece que voltei a ganhar ânimo na vida. Se tivesse algum dinheiro, voltava a investir.
Ah! Mas, o que mais gostei foi de ver aquele negócio que tu fizeste com o Hugo Chávez. É pá, porreiro. O gajo chegou aqui, e em frente da televisão, disse logo à malta que comprava mais quatro ou cinco barcos. Agora já não são computadores Magalhães. Voltámos, finalmente, aos tempos gloriosos de vender barcos e ainda por cima para o teu fraterno amigo Hugo.
E o fato dele, giríssimo. Já pensaste em começar a largar os fatos “Armani” e começar a vestir como ele? Aquilo é que é “socialismo”. Tens que pensar numa dessas.
Sempre oportuno, mê filho. Consegues dar uma imagem que não há “pai” para ti. Agora, essa de termos um orçamento que dá segurança é que não me convenceu muito.
Então, vê lá. O leite com chocolate vai passar a pagar 23% de IVA. Este por esse motivo deixa de ir para as escolas, por causa do corte orçamental. Bem, sempre tens como substituto o vinho Camilo Alves que ao manter o valor do IVA, pode ser uma boa alternativa para os miúdos.
Já no meu tempo, havia “sopas de cavalo cansado”. Porque não reeditar esse velho princípio? Começares a dar “sopas de cavalo cansado” às crianças e cumpres o orçamento da educação?
Eu sei que não estás muito preocupado com isto. Primeiro, foi aquela medida demagógica dos 5% de redução nos vencimentos dos gestores públicos que ganham que se fartam. Só que te esqueceste que existem gestores públicos que têm um ordenado menor que um Director Municipal ou do que um Magistrado do Ministério Público ou de que um Tenente-Coronel na reserva.
Olhaste para os teus amigos da Telecom e, lá vai disto.
Vai ser giro é quando tocar aos 10%. Pois, porque para os administradores da Galp, onde está aquele entendido dos petróleos, que foi Presidente da Câmara do Porto, e que agora só ganha perto de quatrocentos mil euros por ano? Sim, esse! É que vai ser.
Portanto, prepara-te, para as greves. Conseguiste unir os do topo com a malta que está mais em baixo.
Eu sei que o Pedro vai ter que se abster. Sim. Eu sei! Eles quando foram falar com ele disseram-lhe logo: “Ò Pedro, não te esqueças que ainda tens uma carreira para fazer e vais precisar de emprego num dos Bancos”. Pronto, a recomendação está feita e o Pedro, abstém-se.
Mas mãezinha, isto não fica por aqui? Quer dizer que lá para Junho vai haver mais alterações?
Ainda me hás-de explicar, então, que merda de segurança dá este orçamento.

“Optimum condimentum fames.” [Erasmo, Adagia 2.7.69] ■A fome é o melhor tempero. ■

segunda-feira, 11 de outubro de 2010

A MINHA MÃE PODIA TER SIDO MINISTRA DAS FINANÇAS


Perante a crise económica e financeira que Portugal está a viver, em que se vai até buscar o fundo de pensões da PT para amenizar o défice, recordei a minha querida mãe.
Se fosse viva, teria hoje cem anos de idade. Que saudades que tenho dela e hoje, vou ter que lhe fazer justiça.
Um dia, já lá vão muitos anos, dizia-me ela: “ Filho, eu também era capaz de ser Ministra das Finanças” (sic).
Eu sorri, e na minha ingenuidade, disse: “ Mas, mãe… não tens conhecimentos para ser Ministra das Finanças”. Ao que ela me retorquiu: “estás enganado, meu filho. Era mesmo capaz”. E a conversa ficou por ali, pois, fiquei na dúvida se ela estava a brincar comigo ou se estava a falar a sério.
Bom! Passados estes anos, chego à conclusão que a minha mãe falava a sério. E vou-vos dizer porquê.
Éramos uma família de quatro filhos, mais a minha mãe e o meu pai. Só o meu pai é que trabalhava fora de casa e, portanto, o único que poderia trazer proventos para sustentar estes matulões. Todos eles a comer, vestir, calçar e a estudar.
Ela estava cingida ao ordenado que o meu pai trazia para casa. Não tinha a prerrogativa de “decretar,” ao meu pai, e dizer: “dá cá mais dinheiro”.
Isso teria como resultado, o meu pai chegar à empresa, e dizer: “preciso de aumentar as minhas receitas para fazer face às despesas lá em casa”. “Aqueles matulões, agora, querem mais automóveis, querem abrir mais umas delegações dos bailes de garagem, na casa dos vizinhos. Portanto, meus senhores, toca de aumentar as receitas cá do João. E, ainda no mês passado, tive de fazer uma festa de aniversário de um dos meus filhos, gastei uma pipa de massa e o ordenado não chega”.
Na realidade, isto não era possível. Nem a minha mãe podia impor ao meu pai, mais dinheiro, nem o meu pai, podia dizer ao patrão, por decreto, “dê cá mais dinheiro”.
A minha mãe tinha de governar a casa, com o dinheiro que o meu pai, todos os meses, trazia para casa. Se não havia dinheiro para festas, não se faziam as festas. Se não havia dinheiro para as rambóias dos matulões, que remédio, ficassem em casa, a ouvir as rádio novelas do “OMO”, lava mais branco.
Hoje, quando vejo o PEC 1, o PEC 2, o PEC 3, não sabendo onde acabam os PECS, e quantas vezes mais, vai o Governo aumentar as receitas, porque não acaba com a rambóia dos matulões que tem no Governo e delegações associadas, nas festas, nos automóveis, nas empresas inviáveis, que proliferam no universo do Estado, as inúmeras entidades reguladoras que não regulam coisa nenhuma, tenho que fazer-te justiça mãe: “Podias ser Ministra das Finanças, sim senhora”. Pois conseguiste, educar quatro filhos e nunca faltou pão à mesa, com o magro ordenado que o pai, todos os meses do seu trabalho, trazia para casa. E quando partiram, não deixaram dívidas aos filhos. O que já não se pode dizer deste governo que quando partir deixa o país na miséria, depois de nos pôr a passar fome.

« Ius non patitur ut idem bis solvatur. » [Jur / Black 1046] A lei não admite que a mesma coisa seja paga duas vezes.

sábado, 9 de outubro de 2010

ADAPTAÇÃO DOS VERSOS DA “TROVA DO VENTO QUE PASSA”



Para meditar! Ao ponto a que está a chegar o nosso país. Quem disser o contrário ou é louco ou anda a snifar!Com ironia fiz esta adaptação destes versos lindos. Mas com a consciência da fome que anda escondida e envergonhada por este país, a caminho do socialismo.



Pergunto ao vento que passa
para onde vai o meu país”
e o vento cala a desgraça
o vento nada me diz.
o vento nada me diz.

La-ra-lai-lai-lai-la, la-ra-lai-lai-lai-la, [Refrão]
La-ra-lai-lai-lai-la, la-ra-lai-lai-lai-la. [Bis]

Pergunto aos rios que levam
tanta merda à tona das águas”
e os rios não me sossegam
“levam merda deixam mágoas.”


“Levam merda deixam mágoas”
ai rios do meu país
“minha pátria à tona das águas”
para onde vais? Ninguém diz.

[Se o verde trevo desfolhas
pede notícias e diz
ao trevo de quatro folhas
“que já não acredito no meu país.”

Pergunto à gente que passa
“por que vai de olhos no chão.”
Silêncio -- é tudo o que tem
quem vive na servidão.

“Vi secar os verdes ramos”
“tortos e para o chão voltados”.
“E a quem gosta do Sócrates
vi sempre o rabo curvado.”

E o vento não me diz nada
“nem o Sócrates diz nada de novo”.
“Vejo minha pátria desgraçada
nos braços de um polvo.”

Vi minha pátria na margem
dos rios que vão pró mar
como quem ama a viagem
mas tem sempre de ficar.

“Vi submarinos a partir
(minha pátria debaixo de água)
vi minha pátria murchar
(folhas secas, secas mágoas).”

Há quem te queira ignorada
e fale pátria em teu nome.
Eu vejo-te crucificada
“nos braços negros da fome.”

E o vento não me diz nada
“só o Sócrates persiste.”
“Vi minha pátria parada”
à beira de um rio triste.

Ninguém diz nada de novo
“se notícias vou ouvindo”
nas mãos vazias do povo
“vi minha pátria a murchar.”

E a noite cresce por dentro
dos homens do meu país.
Peço notícias ao vento
e o vento nada me diz.

Quatro folhas tem o trevo
liberdade quatro sílabas.
Não sabem ler é verdade
“aqueles pra quem eu rescrevo.”

“Já não há uma candeia
dentro da própria desgraça
há sempre alguém que destrói
canções no vento que passa.”


Na noite mais triste
em tempo de servidão
“já não há quem resista
já não há quem diga não.”



PATETA ALEGRE
POETA

quarta-feira, 6 de outubro de 2010

OS CONSELHEIROS DO PEDRO

Mê rico filho!
Não há dúvidas de que este país é de reconciliação e os políticos são todos altruístas e só pensam na nação. Para que não apanhemos nenhum ralhete da Comissão Europeia, não faltam os “conselheiros” que dizem que o Pedro deve apoiar o Orçamento. Até já dizem que ele há-de voltar à televisão ao programa “perdoa-me”. Estás cá com uma sorte…
Podes continuar a fazer asneiras, a dizer asneiras, que estás safo. Afinal, sempre tens no Barroso um amigo. Tu também sempre tiveste facilidade em arranjar amigos destes. São iguaizinhos a ti, mê filho.
Este ano, estás safo. O próximo é que as coisas se vão complicar um pouco mais, com o aumento do IVA para 25%. E mais uma redução nos salários. Esta malta vai começar a não entender nada disto. Nem os teus “camaradas”.
Afinal, segundo li, as deduções no IRS são também para valer. É assim mesmo, mê filho. Estes malandros da classe média andavam a abusar nas idas ao médico. Dá cá aquela palha, pimba uma consulta. Até ao dentista já iam mais vezes. Aliás, já se vê menos portugueses desdentados. Por falar nisso, vou aproveitar para fazer uma placa nova antes do fim do ano. Não vá esta começar a baloiçar demais com o pão duro que vamos comer para o ano e partir-se. E sinceramente, não sou muito apologista de açordas. Isso é mais para os alentejanos. Uma Beirã como eu, gosta é de dar umas trincas numa boa broa de milho, com côdea e tudo. Não é mê filho? Ah, já não comes disso? Agora são só “brioches”? Com essa dos “brioches” é que tu me entalas. Vê lá se isso não sai nos jornais. Não vão eles aportuguesar o termo e depois é mais um escândalo na imprensa.
No meu tempo não havia destas modernices. Onde é que se falava em “brioches”? Nem pensar…
Mê filho! Com esta conversa até já se me abriu o apetite. Vou dar uma dentadinha no “cacete” que acabei de comprar na padaria, bem quentinho. Ponho-lhe um pedaço de manteiga e até me lambo toda.
Beijinhos e não te esqueças de pôr o euromilhões. Com a sorte com que andas pode ser que ainda te saia o primeiro prémio.
Dá noticias.


"Miserum istuc verbum et pessimum est ‘habuisse’ et nihil habere." [Plauto, Rudens 1243] É triste e muito ruim essa expressão ‘ter tido’ e não ter nada.

segunda-feira, 4 de outubro de 2010

DAQUI NÃO SAIO, DAQUI NINGUÉM ME TIRA

Mãezinha, isto é uma pouca-vergonha.
Então, não é que o Paulinho disse no Parlamento para eu me ir embora? E eu respondi que quem tira e põe, é o povo. Não é mãezinha?
Daqui não saio, daqui ninguém me tira. Era o que faltava. Eles bem podem “chumbar” o orçamento! A mim não me faz diferença, porque o Professor já disse, para o PSD se abster. Ele sabe o que diz…pode ficar com uma redução no salário lá da Faculdade, mas dou-lhe a contrapartida de uns pareceres. Não é mãezinha? Temos que ser assim na política. Uns para os outros!
Também, os únicos que estão preocupados, com a redução dos salários, são os funcionários públicos. Mas, a malta que tem rendimentos de apartamentos ou contas nos “offshores”, não se ralam com isto, mãezinha. De qualquer das maneiras, a rapaziada dá sempre um jeito nos rendimentos. Ou não é? Cunha aqui, cunha acolá e sempre pinga algum. Para mim é que é complicado, que vivo só com o ordenado de primeiro-ministro e ainda tenho prestações dos apartamentos para pagar.
Por outro lado, se saio do Governo, lá se vão os lugares todos, para os jovens do PSD, e o que é que eu faço, à malta do PS? Não sabes, mãezinha?
É uma grande embrulhada. Além do mais, os lugares nas ONGS estão todos preenchidos e eu tenho de esperar que o Barroso regresse ou que o outro fuja da Comissão para os Refugiados.
Vou para ao pé de ti? Fazer o quê, mãezinha? Tricô? Não sei fazer mais nada!
Ah! Volto a fazer projectos de arquitectura? Mas, quem é que me quer, depois de ter visto a merda das obras que eu fiz? A única obra que poderia deixar para as novas gerações, era o TGV. Nem isso me deixaram fazer.
Telefono ao Hugo Chavez? Para quê, mãezinha? O gajo também está aflito. Aquilo não está a correr nada bem. Vender mais computadores, lá para aquela oficina que montava os “Magalhães”? Mãezinha! Com essa dos Magalhães, fiquei farto da informática.
Em alternativa vou é para Angola, vender “cimento” à colher!
Mas não te preocupes. O Manel ainda vai ganhar isto e ele não demite os “camaradas”. O PSD vai ganhar as eleições? Não te preocupes, mãezinha. De qualquer das maneiras, o povo gosta tanto de mim que voltam a pôr-me no Governo.
Eles sabem que mudar as moscas de nada serve, porque a merda é a mesma.

“Malis mala succedunt.” [Erasmo, Adagia 3.9.97] ■Males a males sucedem. ■Uma desgraça nunca vem só.

quinta-feira, 30 de setembro de 2010

A IMPLANTAÇÃO DA REPÚBLICA PORTUGUESA

A Implantação da República Portuguesa foi o resultado de um golpe de estado organizado pelo Partido Republicano Português que, no dia 5 de outubro de 1910, destituiu a monarquia constitucional e implantou um regime republicano em Portugal.
A subjugação do país aos interesses coloniais britânicos da família real, o poder da igreja, a instabilidade política e social, o sistema de alternância de dois partidos no poder (os progressistas e os regeneradores), a ditadura de João Franco a aparente incapacidade de acompanhar a evolução dos tempos e se adaptar à modernidade — tudo contribuiu para um inexorável processo de erosão da monarquia portuguesa do qual os defensores da república, particularmente o Partido Republicano, souberam tirar o melhor proveito. Por contraponto, a república apresentava-se como a única capaz de devolver ao país o prestígio perdido e colocar Portugal na senda do progresso.
Após a relutância do exército em combater os cerca de dois mil soldados e marinheiros revoltosos entre 3 e 4 de outubro de 1910, a República foi proclamada às 9 horas da manhã do dia seguinte da varanda dos Paços do Concelho de Lisboa. Após a revolução, um governo provisório chefiado por Teófilo Braga dirigiu os destinos do país até à aprovação da Constituição de 1911 que deu início à Primeira República. Entre outras mudanças, com a implantação da república, foram substituídos os símbolos nacionais: o hino nacional e a bandeira.
Estamos a comemorar os cem anos da República e a questão que se coloca é se o país, não estaria, no mesmo estádio de desenvolvimento, se não houvesse república.
Os ideias da República, segundo Eça de Queiróz, eram que o pensamento e a ciência são republicanos, porque o génio criador vive de liberdade e só a República pode ser verdadeiramente livre [...]. O trabalho e a indústria são republicanos, porque a actividade criadora quer segurança e estabilidade e só a República [...] é estável e segura [...]. A República é, no Estado, liberdade [...]; na indústria, produção; no trabalho, segurança; na nação, força e independência. Para todos, riqueza; para todos, igualdade; para todos, luz."
Durante anos foi a confusão do período, hoje designado, como da primeira república. Havia liberdade? Havia segurança e estabilidade? O país era independente? Havia riqueza para todos, igualdade?
Percorremos 48 anos de isolamento político, num período que alguns não consideram republicano. Mas, depois do 25 de Abril de 1974, segundo os mesmos, estamos no período da segunda República.
Que pensaria Eça de Queiroz? Que somos um país em que existe uma actividade criadora, onde existe segurança e estabilidade? Somos independentes? Qual o conceito de independência?
Uma coisa, eu tenho a certeza! É que não há riqueza para todos, só para alguns e igualdade, muito menos, embora se tenham criado as “novas oportunidades”.
Sou bem levado a crer que o problema do desenvolvimento de um país e de um povo, não está na República, como se calhar não está na monarquia. Está no próprio povo!
Mas já que estamos numa República que faz cem anos, viva a República e melhor sorte para este povo que tem de mudar o seu comportamento perante as necessidades nacionais, se almeja um dia ter segurança, estabilidade, ser independente, se valer a pena, e que haja riqueza, pelo menos para os que trabalham e as mesmas oportunidades para se ter igualdade.

“Res inter alios acta aliis nocere non potest.” O negócio feito entre uns, não pode prejudicar a outros.

sexta-feira, 24 de setembro de 2010

QUEM ESPERA,DESESPERA!

Depois de tantas revisões Constitucionais, a Lei Fundamental do país, continua a apontar, no seu “preâmbulo”, que “ (…) o primado do Estado de Direito democrático e de abrir caminho para uma sociedade socialista, no respeito da vontade do povo (…)”.
Ainda será esta a vontade do Povo, representado na Assembleia da República, pelos deputados, democraticamente eleitos, mas inseridos nos partidos políticos, os únicos que possuem o monopólio de representar o povo?

É, no mínimo, curioso que decorridos tantos anos, depois da Revolução de Abril, ainda, temos de nos limitar, aos partidos políticos.
A Constituição até chega ao pormenor de ter normas programáticas, sobre a organização dos partidos, afirmando a determinada altura, o seguinte:
-“Os partidos políticos devem reger-se pelos princípios de transparência, da organização e da gestão democráticas e da participação de todos os seus membros”.
Mas, afinal o que é isto de transparência? O que é ”opaco” nunca pode ser transparente!
Não contestando a viabilidade política de alguns candidatos, indicados pelos partidos políticos e eu digo indicados, porque não existe nenhuma transparência na sua escolha e muito menos, esta é democrática. Deixemo-nos de hipocrisias.
Já lá vão uns anos que se fala de círculos uninominais, mas por obra e graça do espírito santo, e na senda da transparência e democraticidade, a Constituição contínua a entregar a política aos partidos políticos.
Porque não, a possibilidade de se constituírem grupos de cidadãos para se candidatarem à Assembleia da República? Por que carga de água é que esta possibilidade só se coloca nas eleições autárquicas?
A realidade é que os grupos de cidadãos que já se organizaram, em diversos concelhos, ganharam eleições, governaram e governam, com eficácia, transparência e em democracia.
É que na realidade, são a vontade do povo, embora mau grado a vontade dos partidos que assim não fosse, pois é mais um “concorrente” no mercado!
E por que é que são ganhadores os grupos de cidadãos? Porque estes grupos são liderados, por quem tem capacidade de liderança, muitas das vezes provas dadas, contrariamente aos “eleitos” pelos partidos políticos que não correspondem à vontade dos cidadãos.

Se a Constituição da República fosse revista, não seria bom, que assistimos, para a Assembleia da República, do mesmo fenómeno, que já é, felizmente, um dado adquirido nas eleições autárquicas?

É que, meus senhores, os partidos dispõem do poder, são governo, mas a relação concreta entre os seus actos de governo e os seus programas partidários, está muito longe da realidade. De tal modo, que o preâmbulo da Constituição nos “manda para o socialismo”. Bem podiam dizer que não nos gramam!
A fórmula partidária faliu. Está a chegar ao fim.
Basta observar, as tendências de grupos, de “clubes”, formados dentro dos partidos. Eles são seminários, conferências, numa tentativa de encontrar o que não existe, porque é utópico!

Os partidos em si, podiam e deviam ser um instrumento de soluções para o país, mas o “partidarismo” dá cabo dos partidos.

« Spes quae differtur affligit animam. » [Vulgata, Provérbios 13.12] A esperança que retarda aflige a alma. ■Quem espera, desespera.

quarta-feira, 22 de setembro de 2010

MUDADOS OS FACTOS, MUDA-SE O DIREITO.

Mê rico filho!
Gostei da tua última cartinha. Felizmente que não ficaste zangado com a tua mãezinha.
Mas, há coisas, que tenho vindo a ouvir, que não gosto nada.
Uma delas é que isto está cada vez pior. A divida pública não pára de crescer. O desemprego, aspas, aspas. E afinal, parece que o PIB, não cresce como devia de crescer. Que vais mesmo, ter de aumentar outra vez os impostos.
Mê filho! Onde é que a gente vai parar? Ah, não sabes? Então, quem é que há-de de saber? Diz-me lá?
É que os juros pagos pelos Estado pela dívida pública emitida hoje através IGCP subiram 17, 7 por cento a dez anos e 29,7 por cento a quatro anos, com a procura a exceder largamente a oferta.
É neste estado que vais deixar o Estado? Foi para isto que eu andei a esforçar-me toda a vida? Olha, mê filho…parece que só se perderam as que caíram no chão!
E depois, ainda, foste apoiar, o Manel, para Presidente da República? Então, não é que aquele tonto, ainda agora, disse que era contra a entrada do Fundo Monetário Internacional em Portugal, na sequência dos resultados sobre a execução orçamental? Então, se tu não percebes nada disto, e não consegues travar a despesa pública, quem é que vai pôr o país nos eixos? Não vejo outra hipótese, mê filho.
Mas olha que o Pedro, também deve andar a sonhar alto, pois, agora, veio dizer que os sociais-democratas estão abertos ao diálogo com o executivo. Os cortes na despesa pública são essenciais. Nas empresas municipais, por exemplo. Nas empresas municipais? Este tipo, também não se enxerga. Até parece que andaram os dois na mesma escola. Eu sei, mê filho que quando ele acabou o curso já estava a caminho dos cinquenta. Mas é isso mesmo, mê filho. Vocês, andaram o tempo todo nas “jotas” e depois os estudos ficaram para trás. Hoje é mais fácil? É verdade. Graças ao teu espírito aventureiro, criaste as “novas oportunidades”, e hoje, o que não faltam, são “novas oportunidades.” Até já temos atletas que entraram para medicina sem ter o 12.º ano.
Vai ser uma revolução socialista, sem dúvida! Nem dos “camaradas” se esperaria outra coisa, mê filho. A melhoria dos rácios, do analfabetismo encoberto, da “República laica e socialista”, a caminho do desastre.
Entretanto, continuas a distrair a malta. Agora, vai entrar na ordem do dia, o facto do Parlamento discutir em Outubro, os projectos de lei do PS, BE e CDS-PP sobre o chamado “testamento vital”.
E, o outro testamento? Aquele que eu gostaria de poder fazer, antes de morrer? Mãezinha, aí manda o Estado. Quem decide a quem podes deixar o teu património, é o Estado.
Pois é, mê filho. Mas já pensaste que isso está ultrapassado em face das novas realidades sociais? Quando na sociedade actual, a taxa de divórcio é de 52%? Significa que as famílias se estão a desorganizar e que as coisas não são as mesmas que eram vai para cinquenta anos.
Então, repara:
Um casal, homem e mulher casaram. Têm dois filhos. Passados, dez anos, divorciam-se. Os filhos ficam, como é “tradicional” debaixo da alçada da mãezinha. O pai, se pagar, dá uma pensão de alimentos. A senhora volta a casar. Quem vai ajudar a sustentar os filhos do primeiro casamento? É o padrasto! Logo, aqui começam as desigualdades.
Este novo casal constrói e adquire novo património, em que o padrasto, por exemplo, contribuiu com a totalidade do dinheiro. Entretanto, este morre!
Quem é que vai herdar? A mulher e os filhos, que existam, do primeiro e segundo casamento! Correcto. Só que quando a mulher morrer, os filhos desta, herdam muito mais, que os outros filhos do primeiro casamento, ou não? Onde é que está a justiça? E, se a senhora, entretanto, já tivesse filhos de outro casamento? Estes, sendo só enteados, pelo mesmo raciocínio, vão herdar, à morte da mãe, aquilo que o padrasto contribuiu, em detrimento dos seus filhos biológicos. Isto, mal comparado, é andar a sustentar filhos alheios. Faz-me lembrar o outro: “ Casaste com a minha mãe, tens que me aguentar”.
Isto tudo, porque o Estado, continua a encarar a realidade social das famílias, como no tempo de Júlio César!
Já para não falar, das centenas de idosos que são vitimas de violência e maus tratos dos filhos, mas que pela exigência da lei, vão depois herdar dos pais, que mal trataram em vida.
Isto é imoral!
Mê filho. Desculpa, mas com a minha idade, tenho andado a pensar na morte e tenho-me questionado, se tu mereces herdar alguma coisa!
Beijinhos desta tua mãe desiludida, pela porcaria que tens andado a fazer.
Vê-se se cresces, uma vez por todas.

“Mutatis factis, ius mutatur”. [Jur] Mudados os factos, muda-se o direito.

sexta-feira, 17 de setembro de 2010

CONSEGUIMOS!


Mãezinha. Espero que esteja tudo bem contigo. Depois de almoço, estive a fumar um cigarrito e pus-me a pensar…O quê? Já devia ter deixado de fumar? Também tu, mãezinha? É só depois das refeições. Não te preocupes.
Mas veio-me à memória, enquanto dava umas “passas”, daquele grande discurso que fiz em 2005. Lembras-te, mãezinha?
Dizia eu…” Conseguimos. Conseguimos. A partir de hoje há, em Portugal, uma nova maioria e uma nova esperança”. Pois é, mê filho…que esperança! Deste, foi cabo desta porcaria toda! Já não há ponta por onde se pegue. Ainda me lembro, mê filho que disseste que “esta maioria não é apenas uma maioria de protesto é uma maioria para construir um projecto novo.” Mas que raio de projecto tinhas tu? É que eu lembro-me de dizeres, “que a maioria alcançada era uma alternativa, de uma ambição e de uma vontade de mudança em Portugal”. Nisso tu conseguiste, mê filho. Deste cabo do resto da Educação. Não deste? Até fechaste a Independente, onde se formavam grandes engenheiros. Ou estás esquecido? Na economia e nas finanças, levaste esta porcaria do país, à banca rota. Os juros continuam a subir e como diz o Pedro, estamos a aproximar-nos da Grécia. O que significa que nos vamos ver “gregos”. Ou não?
Mas foi lindo o discurso, principalmente, quando disseste para os dez milhões de portugueses que “O meu desejo é colocar esta vitória ao serviço dos portugueses, ao serviço de todos os portugueses. Em democracia há vencidos e vencedores mas não há excluídos. O P.S. não governará contra ninguém. Mas governará por todos e para todos como é o seu dever.” Não foi bem assim que tu fizeste. Tramaste a malta nas reformas, mas por outro lado, andaste a dar dinheiro à banca, a rodos, para eles depois emprestarem ao pessoal a juros cada vez mais elevados. Ou não foi?
Mê filho! Tu, às vezes, pareces que esqueces as coisas. Senão for a tua mãezinha a lembrar-te, pões esse ar de político e assobias para o lado.
Agora, quando tu disseste no teu discurso que “o meu desejo é que esta vitória sirva para restaurar a confiança. A confiança na nossa economia, a confiança nas nossas instituições, a confiança nos portugueses, a confiança no futuro de Portugal. Já é tempo de vencermos o pessimismo a descrença e a desilusão. Os novos tempos são tempos de esperança.”
Aqui, é que borraste a escrita, toda. Então, não me digas que a malta está com mais confiança? Com confiança na economia, com confiança nas instituições e com confiança no futuro de Portugal?
Deixa-te disso. Nunca mais voltes a prometer, aquilo que sabes que não podes, nem sabes cumprir. Quem é que acredita na economia? O desemprego está à vista, ou não? Quem é que acredita nas instituições? Os Tribunais estão à vista.Ou a justiça está bem? Não me digas que estás como o Ministro? E o ensino?
Mê filho, depois deste discurso, em que começaste por “Conseguimos”, faz, agora, uma pausa e diz, “ Desistimos”. Isto não tem futuro, porque tem um povo mandrião e aldrabão, useiro e vezeiro em aldrabices, desde o fugir ao IRS, passando pela falsificação de diplomas, até à moedinha no parque de estacionamento. É um povo que não sabe viver, senão, de “golpadas”. E enquanto, assim for, qualquer político serve, até tu, mê filho!
PS: Mê filho, não fiques zangado comigo, mas até eu, estou um pouco cansada disto. Mas, como mãe é mãe, continuo a gostar muito de ti, mesmo que só faças asneiras e digas calinadas.
Não, mãezinha. Não fico zangado, porque sei que tu, mais os portugueses, gostam todos muito de mim. Talvez tenhas razão, só que não posso dar o braço a torcer, não vá algum jornalista apanhar esta carta e depois, pimba. É um regabofe nos jornais.
Já estou a ver, em caixa alta: “ O ZÉ NÃO É O QUE É”.
Mãezinha, esta carta já vai longa, e eu tenho, ainda, umas coisitas para fazer, antes do fim-de-semana. Recebe beijinhos deste tê filho que nunca desiste…

“Post amara dulcia.” [Divisa] Depois do amargo, o doce. ■Depois do purgatório, a redenção.