segunda-feira, 5 de maio de 2014

E DEPOIS DE UMAS BOLADAS...


Tal como me indignei com os 400 mil euros dados, do erário público, ao Estoril Open ou Portugal Open, como lhe quiserem chamar, é altura da CMO dizer aos seus munícipes qual foi o retorno deste investimento.
A Troika governativa da CMO dirá que foi muito bom as emissões televisivas do Canal 2. Vi, um bocadinho e fiquei desconsolado. Tirando os tenistas e o público que não paga bilhetes, pois vai dentro das benesses dos 400 mil euros, não havia mais ninguém. Ah, esquecia-me dos “apanha bolas.” Desculpem lá!

Tenho fortes dúvidas quanto ao interesse desportivo e à lógica de empresas privadas secarem os poucos meios públicos e patrocínios dedicados ao desporto, prejudicando as diversas instituições sem fins lucrativos que prestam diariamente serviço desportivo a centenas de milhares de portugueses em todo o país... Ainda, por cima, são sempre os mesmos eucaliptos.

Mas sem público, como foi esta final, se calhar mais vale pensar noutro evento… que pena, mas nem todos têm de gostar de ténis, e assim, ficamos reduzidos ao futebol...
Parece que tudo estava excelente, excluindo-se os Polícias e seguranças que se fossem um pouco mais educados, não se perdia nada. Nem tudo é "open" e por ali passa outra gente com outros afazeres...

Infelizmente e para grande pena, as bancadas estiveram sempre vazias. Ver jogos excelentes sem público mete dó. E faz com que digamos…a quem faz falta eventos, destes, desertos? Aos anunciantes e publicitários?

2 comentários:

maria Barrai disse...

De facto há outras necessidades, muito mais prioritárias no Concelho que não estão a ser satisfeitas, porque se diz que não há dinheiro devido à crise. Chego à conclusão é que o dinheiro é só para aquilo que convém, para o que é útil não há.
É O PAÍS QUE TEMOS.

Maria Manuela Costa Ribeiro disse...

De certo modo concordo com a menina Barrai. Primeiro as necessidades básicas, como alimentos. No nosso Concelho há imensas pessoas e agregados familiares que estão a passar inúmeras necessidades neste âmbito... Sou voluntária e sei o que digo!